Senhoras e senhores está aqui a prova que nem todo suicida é um drogado depressivo que já não queria mais viver nesse mundo cruéu!
Foi encontrado no bolso de um cadáver a seguinte carta:

Senhor delegado do ministerio público: Suicidei-me!
Não culpe ninguém por minha morte, porque um dia mais que eu vivesse, eu morreria de loucura.
Eu explico para o senhor: Tive o azar de me casar com uma viuva; a qual tinha uma filha; se eu soubesse isso jamais teria casado! Meu pai, para maior desgraça era viuvo e quis se casar com a filha de minha esposa.
Resultou dai que minha mulher se tornou sogra do meu pai. Minha enteada ficou a ser minha mãe e meu pai ao mesmo tempo meu genro.
Após um tempo minha enteada pôs no mundo um filho que veio a ser meu irmão e neto da minha mulher que fiquei a ser neto do meu irmão. Com o decorrer do tempo minha mulher também colocou no mundo um menino que como irmão da minha mãe, era cunhado do meu pai e tio do meu filho, passando minha mulher a ser nora da propria filha.
Eu, senhor delegado, passei a ser, pai da minha mãe, tornando-me irmão dos meus filhos, a minha mulher ficou a ser minha vó já que é mãe da minha mãe, assim acabei sendo avo de mim mesmo!
Então antes que a coisa se complicasse mais, resolvi acabar logo com tudo.


[Lucas Rudiero ]